terça-feira, 31 de maio de 2011

HINO DE LOUVOR A ENLIL

Enlil, cujas ordens alcançam a distância, cuja palavra é santa,
O senhor cuja decisão é imutável, que decreta para sempre os destinos,
Cujos olhos erguidos percorrem as terras,
Cuja luz levantada prescruta o coração de todas as terras,
Enlil, que está sentado com abandono sobre o altar branco, sobre o altar sublime,
Que consuma os decretos da força, da realeza, da soberania,
Perante o qual se inclinam, temerosos, os deuses da Terra,
Perante o qual se humilham os deuses do Céu (...),
A cidade (Nippur), seu aspecto inspira terror e respeito (...),
O ímpio, o mau, o opressor,
O denunciante,
O arrogante, o violador dos pactos,
Ele não tolera os seus malefícios na cidade,
A grande rede (...)
Ele não deixa os opressores e malfeitores escapar às suas malhas.
Nippur – o santuário onde habita o pai, a "grande montanha",
O altar da abundância, o Ekur que se ergue,
A alta montanha, o nobre lugar,
Seu príncipe, a "grande montanha", pai Enlil,
Estabeleceu a sua morada no altar de Ekur, sublime santuário;
O templo – as suas divinas leis, como o Céu, não podem ser subvertidas,
Os seus puros ritos, como a Terra, não podem ser abalados,
As suas divinas leis são como as divinas leis do abismo, ninguém as pode olhar,
O seu ‘coração’ como um distante santuário, desconhecido como o zénite do Céu...,
As suas palavras são orações,
Os seus propósitos são súplicas,
O seu ritual é precioso,
Nas suas festas jorram a gordura e o leite, são ricas e abundantes,
Os seus armazéns dão felicidade e alegria,
A casa de Enlil é uma montanha de abundância,
O Ekur, a casa de lápis-lazúli, a sublime morada, que inspira medo,
Cujo medo e terror estão próximos do Céu,
Cuja sombra se estende sobre todas as terras,
Cuja majestade atinge o coração do Céu,
Onde os senhores e os príncipes levam os seus presentes sagrados, as suas oferendas,
Vêm dizer as suas orações, as suas súplicas, os seus pedidos.
Enlil, o pastor que contemplais favoravelmente,
A quem chamastes e tornastes eminente na Terra,
Que prostra todas as terras estranhas por onde passa,
Libações apaziguadoras de toda a parte,
Sacrifícios dos pesados produtos,
Foram trazidos; no armazém
Nos altos pátios determinou as suas oferendas;
Enlil, o digno pastor, sempre em movimento,
O rei do principal pastor de tudo o que respira,
Trouxe à existência o seu principado,
Colocou a coroa sagrada na sua cabeça.
No Céu – é o príncipe; na Terra – é o grande,
Os Anunnaki – é o seu exaltado deus;
Quando no seu poder aterrador, ele decreta os destinos,
Nenhum deus se atreve a olhá-lo.
Só ao seu exaltado vizir, o camarista Nusku,
A ordem, a palavra do seu coração,
Deu a conhecer, só a ele informou,
Mandou-o executar todas as ordens que a todos obrigavam,
Confiou-lhe todas as regras sagradas, todas as sagradas leis.
Sem Enlil, a grande montanha,
Nenhuma cidade seria construída, nenhumas instituições fundadas,
Não seriam construídos quaisquer estábulos, nem feito nenhum redil,
Ninguém seria levado à realeza, não nasceria qualquer grande sacerdote,
Nenhum sacerdote-mah, nenhuma grande sacerdotisa seriam escolhidos
pelo carneiro-presságio,
Os trabalhadores não teriam nem chefe nem superintendente,
Os caudais dos rios não teriam transbordado,
O peixe do mar não depositaria os ovos no canavial,
Os pássaros do Céu não construiriam ninhos na vasta Terra,
No Céu as arrastadas nuvens não produziriam a sua humidade,
Plantas e ervas, a glória da planície, não poderiam crescer,
No campo e no prado o rico grão não poderia florir,
As árvores plantadas na floresta da montanha não produziriam o seu fruto (...)

FONTE: http://www.pauloliveira.com/MySiteOLD/Zigurate/Zigurates.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário