quarta-feira, 25 de maio de 2011

O HINO DOS 50 NOMES DE MARDUK

MARDUK é o Primeiro,
Ele é o Filho do Sol,
Ele é o primeiro, aquele que tem o brilho do sol.
Pastagem e lago,
estábulos cheios,
torrentes de chuva que caem sobre o inimigo
Ele é o mais brilhante,
Filho do Sol,
os deuses sempre caminham na chama de sua luz.
Ele criou o homem (e a mulher)
seres vivos,
para trabalhar para sempre, e liberar os deuses de outras tarefas,
Para fazer e desfazer,
Amar e salvar,
A Marduk, todo poder e a glória!
MARUKKA é Dois
aquele que bate o martelo de toda criação
para trazer alívio aos deuses em conflito
MARUTUKKU é Três,
gestos de graça em seu nome são feitos por cada mão,
o jovem armado e escudo da terra.
BARASHAKUSHU é Quatro,
aquele que levantou-se na hora da necessidade para selar a terra,
e cujo espírito é indomável e cujo coração é amor.
LUGALDIMMERANKIA é Cinco,
Rei do Cosmo!
Em todo universo Ele é aclamado
pela Grande Companhia que sua ira fez encolher
deus todo poderoso!
NARI é Seis, aquele que tudo Libera,
Ele é nossa consciência, pois quando haviam problemas,
Ele nos trouxe a paz
Deu-nos um porto seguro;
Anunaki, Igigi, das profundezas e das alturas
ao ouvir seu nome tremem em segredo.
ASARULUDU é Sete,
o Grande Mago, título este que vem de Anu,
na hora do perigo, o bom líder dos deuses, pelo duelo mortal que enfrentou para trazer a paz
NAMTILLAKU é Oito,
na sombra da morte ele descobriu a vida,
como se tudo o que tinha sido feito tivesse sido recriado novamente,
conjurado da morte à palavra dele, até o inimigo submeter-se à sua vontade.
NAMRU é Nove, os deuses caminham na fornalha de sua beleza. .
Vozes de tempos passados haviam falado: Lahmu, Lahamu, Anshar haviam falado, cada um deles tendo dito três nomes. Eles disseram então a seus filhos:
- Três nomes ele recebeu de cada um de nós, três nomes ele precisa receber de vocês.
Como fora uma vez no sínodo de Ubshukinna, no local das decisões, os jovens deuses ansiosamente falaram todos juntos:
Ele é o herói, nosso filho, nosso vingador, daremos glória ao nome de nosso defensor!
Eles se sentaram juntos para moldar o destino de Marduk, e todos os deuses cantaram o nome de seu jovem campeão no santuário.
7
O hino continuou:
ASARU cultiva o que foi plantado,
conduz a água através de pequenos canais
para o tempo da semeadura, o tempo do crescimento e da colheita dos grãos.
Ele é ASARUALIM, a quem os deuses com receio e esperança se voltam quando do Conselho.
Ele é a luz, ASARUALIM NUNNA,
luz da glória de seu pai,
Ele é a lei de Anu, de Enlil e Ea,
Ele é compleitude e abundância,
os deuses engordam com seus dons.
Como Tutu ele é a vida que se renova,
que traz doçuras ao santuário, caso a ira uma vez mais tome conta de todos.
Ele a todos ensina a repetir o encantamento que convida ao sono,
Como ele, não tem igual na assembléia.
Como ZIUKKINNA ele vive em cada deus,
ele fez os céus para a felicidade dos deuses,
ele mantém os deuses felizes na imensidade dos céus;
abaixo das nuvens, homens obtusos lembram dele,
Pois ele é ZIKU, o grão da vida,
doce respiração de graça, abundância,
benevolência, indescritível riqueza,
que transforma a fome na fartura;
que respira sua doçura nos quadrantes [em que vivemos].
Falaremos dele, o poderoso, cantaremos a canção de sua glória.
Ele é AGAKU, o amor e a ira,
com palavras vivazes ele apressa a morte,
ele teve pena dos deuses,
ele diminuiu os labores que caíam sobre os adversários.
Para o alívio dos deuses, ele criou a humanidade, suas palavras irão perdurar. Ele é bom, ele tem o poder da vida, seu nome e seu poder está nas bocas dos homens e mulheres de cabelos negros que se lembram dele.
Mas ele também é TUKU,
e todos pronunciam suas anátemas,
que derrotam o mal com palavras misteriosas.
Como SHAZU ele fez o coração, que vê o âmago de tudo,
Ele vê a medula,
nenhum pecador escapa de seu escrutínio.
Ele formou a Assembléia e espalhou sua proteção,
Ele vê a aplicação da justiça, acabando com rebeliões,
Ele termina com a malícia, pois onde ele vai,
o certo e o errado estão separados.
Como aquele que lê o coração, ele também é
ZISI, um nome que fez sair as hordas rebeldes
do coração dos antigos deuses, levados embora por medo paralisante,
para liberar os deuses ancestrais, seus pais.
SUHRIM é [também seu nome] o raio que extinguiu a rebelião,
a mão abjeta treme frente a ele,
seus esquemas previstos, desaparecendo no vento,
Para a alegria, alegria dos deuses!
Ele é SUHGURIM aquele que pode [tudo] destruir,
mas que também na corte aberta ouve todas as causas;
os antigos deuses criaram novos, os inimigos aniquilados, para que para os filhos dos filhos nada deles reste, ou do que fizeram os inimigos. É o nome sagrado do deus, somente e somente este, que responde aos clamores do mundo.
Ele é ZAHRIM, o destruidor!
Iniquidade é morte, ele achou o inimigo quando os deuses fugiram,
ele trouxe os deuses de volta para casa, e todos por seu próprio nome são conhecidos.
Ele é também ZAHGURIM, destruidor-salvador,
título terrível, ante ao qual seu inimigo cái, como se estivesse no campo de batalha.
Ele é ENBILULU, saúde e riqueza dos deuses,
Ele chamou os nomes dos deuses, ele chamou os astronautas, e as hecatombes [à sua voz] desaparecem em chamas,
Ele planejou as pastagens, aprofundou os poços e liberou as águas
Ele é EPADUN, a umidade do céu e da terra que lava os campos,
irrigando as terras aráveis através de barragens e diques para irrigação
Enbilulu é cantado como GUGAL,
nos pomares dos deuses,
ele cuida dos canais, ele enche os galpões com sésamo e grãos em abundância.
E Ele é HEGAL,
acumulando riquezas para todos,
no mundo, ele faz cair a chuva doce, e descer o verde por sobre a terra..
Como SIRSIR ele pegou a carcassa,
Ele levou o Caos [Tiamat] enredado na sua isca,
fazendo erguer sobre ela as montanhas.
Aquele que zela pelo mundo, pastor fiel,
onde seu cenho se ergue,
como [que acirrados por um] choque os cabelos de milho se levantam;
onde o vasto oceano se levanta em ira,
ele faz surgir pontes sobre os locais onde parece haver luta.
Ele é também chamado MALAH, por muitos;
o mar salgado é seu barco, e ele lidera a sua proa.
Ele é a pilha de grãos, cevada e sésamo, que é distribuída para o bem da terra.
Ele é GILMA, o fogo que jamais se apaga, que tempera a eternidade em sua existência, e que por segurança mantém o equilíbrio [da chama] tal qual a corda segurando um barril.
Ele é AGILMA,
que das superfícies que se abrem cria as nuvens por sobre as águas para guardar o firmamento imutável
Ele é ZULUM, aquele que molda o barro,
distribui os acres, a terra para ser arada.
Este é MUMMU, a palavra criativa,
a vida do universo.
Ele é GISHNUMUNAB, a semente, que criou as raças humanas de todos os quadrantes do mundo.
Dos restos da derrota de Tiamat,
dos restos dos deuses,
ele criou a humanidade.
Ele é LUGALABDUBUR
aquele que veio como um rei para enfrentar o Caos,
Caos cujas forças se esvaneceram frente aquele que é firme, e cujas forças são igualmente firmes em todas as direções.
Ele é PAPALGUENNA, Senhor de todos os Senhores,
deus mais sublime, que governa seus irmãos e irmãs.
Ele é LUGALDURMAH, no umbigo do mundo,
onde o céu e a terra são mantidos pela corda,
onde os deuses das alturas se reúnem, sua grandeza é a maior de todos.
Ele é ARANUNNA, o conselheiro, com seu pai EA
sem igual em seus modos soberanos,
ele criou os deuses.
Ele é DUMUDUKU, a montanha brilhante,
Dumuduku, a presença no templo,
o local das decisões, onde nada se decide sem ele [estar presente].
Ele é LUGALLANNA, o forte,
aquele que carrega o firmamento,
sempre presente entre os deuses
mais do que Anshar que o chamou, e o escolheu dentre todos.


Ele é LUGALUGGA, o rei da Morte!
Ele toma conta de todas as crises, na hora mais difícil, com grande intelecto, e mente de longo alcance.
Ele é IRKINGU, pois na fúria da batalha ele espantou o caos,
Ele criou a lei e a lei agora domina a criação.
Ele é KINMA, conselheiro e líder,
seu nome traz terror aos deuses,
o rugido do tornado.
Ele é ESIZKUR, e no alto ele se senta,
na capela das preces, no Grande Festival, quando vêm todos os deuses, são dados presentes, e deveres impostos. Se não fosse por Ele, nada teria sido criado de belo ou sutil. Ele criou os homens e mulheres, ele fez os limites do mundo, e sem ele, os deuses não saberiam os tempos.
Ele é GIBIL, a fornalha na qual o ponto é temperado,
onde são forjados os raios, as armas de guerra contra Tiamat;
os deuses jamais poderão alcançar os limites da mente de Gibil.
Seu nome também é ADDU,
o tempo úmido e a tempestade que vem na hora certa,
o bem-vindo soar do trovão por sobre a terra.
Depois da tempestade as nuvens se abrem ante a palavra de Addu,
e as pessoas na terra diariamente comem seu pão com as bênçãos dele.
ASHARU guia os deuses do Destino;
ele zela por todos os outros deuses.
Como NIBIRU ele projetou as estrelas na sua órbita,
os deuses itinerantes obedecem as leis de passagem.


Nibiru, no centro, parado,
é o deus a quem eles adoram;
e de Nibiru, aquele que é cheio de estrelas, eles dizem:
- Aquele que uma vez cruzou o firmamento sem descansar
Agora é o ponto mais importante do universo,
e todos os deuses mantém seus cursos baseados nele;
Ele reúne os deuses como quem reúne um rebanho,
Ele, o conquistador de Tiamat.
Que a vida dela seja breve e curta, que ela se retire para o futuro
distante da humanidade, até que o tempo envelhece, mantendo-a ausente para todo o sempre
Porque ele moldou a matéria e criou o éter, seu pai deu-lhe o nome de
Bel Matati, deus deste Mundo.
Com seu próprio nome Anu pôs sua marca Marduk quando os deuses do firmamento acabaram o hino.
Agora também Ea, tendo tudo ouvido, regozijou-se:
- Os grandes deuses glorificaram meu filho, Ele é Ea, dotado de nomes do meu próprio nome, ele ira executar minha vontade e dirigir meus rituais.
HANSHA!
Com 50 nomes os deuses o proclamaram
HANSHA!
Com 50 nomes eles chamaram àquele que é o primeiro dentre os primeiros e o que mais de todos se destaca.
Epílogo
Lembrem dos títulos de Marduk!
Governantes irão recitá-los, sábios irão fazer debates a respeito deles, pais os repetirão para os filhos, e mesmo os pastores deles terão conhecimento.
Que todos se alegrem na glória de Marduk, o príncipe dos deuses! Homens e mulheres e a terra irão prosperar, pois forte é seu Domínio, firmes são seus comandos, deus algum pode alterar a vontade de Marduk, e onde os olhos dos grandes deuses se fixarem, somente o bom, o justo e o certo lá Terá lugar.
Deus algum pode suportar sua ira, o intelecto de Marduk é vasto, bem como sua benevolência, mas pecadores e outros desta laia ele irá fazer desaparecer com a sua presença; mas o sábio professor cujas palavras escutamos, e que escreveu tais palavras que ora ouvimos, Marduk o poupou para os tempos vindouros.  Que os Igigi construam seu templo, que os deuses falem que esta é a canção de Marduk, que derrotou Tiamat e obteve soberania.




Fonte:
http://www.sigghil.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário